Como lidar com a Repatriação Sanitária ou por morte no exterior

Como lidar com a Repatriação Sanitária ou por morte no exterior

Você que vai viajar provavelmente já conhece e pesquisou os principais benefícios do seguro viagem. Porém, há algumas coberturas bem interessantes e úteis, e que não são tão conhecidas pelo grande público. Uma delas é a Repatriação Sanitária no exterior.

Como lidar com a Repatriação Sanitária ou por morte no exterior

O que é a Repatriação Sanitária?

Em caso de um acidente ou uma doença repentina no exterior, o seu seguro viagem irá cobrir os seus gastos médicos e hospitalares no hospital estrangeiro. Há ainda a cobertura para consultas e procedimentos médicos extras.

O que não é muito falado é a Repatriação Sanitária. Que nada mais é que a cobertura do transporte médico até o país de origem do paciente. Isso acontece em casos de extrema necessidade de se fazer a remoção do adoentado para continuar o tratamento na região de domicílio. Em casos de acidente, também está prevista a cobertura de todos os gastos, como cirurgia e imobilização de membro.

Ambas as coberturas devem ser verificadas antes de contratar o seguro viagem, pois só assim o viajante se assegurará de estar coberto contra acidentes e doenças.

 

Como acionar o Seguro Viagem para a Repatriação Sanitária?

É um procedimento bem simples, e começará com o diagnóstico do médico que realizou o atendimento no exterior. O médico no estrangeiro irá fazer a avaliação da possibilidade e necessidade de fazer o translado ou a remoção do paciente. Em caso positivo, o segurado deverá procurar o seguro viagem com seu laudo médico e dar início aos trâmites processuais.

Em seguida, o Seguro Viagem irá receber os documentos médicos, laudos, resultados de exames e consultas, prontuário, para então dar início aos trâmites internos da seguradora. A partir daí haverá uma avaliação própria da equipe médica da companhia de seguro viagem, que dirá se o paciente precisa mesmo ser removido ou se há a necessidade imediata de repatriação sanitária.

Depois de aprovado todos os procedimentos e que os detalhes médicos sejam discutidos entre as equipes médicas, será disponibilizado para o segurado acidentado o transporte adequado. Então será resolvido a forma de translado, que pode se dar por meio de ambulância, trem ou avião comercial. Será observado se o paciente necessita de algum auxílio médico durante a viagem, como um aparelho que auxilie a respiração ou máquina semelhante.

 

E em caso de falecimento?

Em caso de falecimento do beneficiário do seguro viagem, geralmente os familiares fazem uso de uma das duas opções abaixo:

 

  • Repatriação do Corpo

Quando a família solicita que a seguradora faça o translado do corpo do falecido. A seguradora então fica responsável por cuidar de toda a documentação e os trâmites legais e diplomáticos de transporte do corpo até o domicílio do beneficiário;

 

  • Cremação e translado das cinzas

Em algumas ocasiões, a família pode entender que é mais conveniente ou era o desejo do falecido realizar a cremação. Isso pode se dar por desejo do próprio ou uma situação em que as despesas médicas ultrapassaram a cobertura do seguro viagem. A família passaria a responder então por qualquer despesa além do teto de cobertura da assistência de viagem. A seguradora então se encarrega de organizar a cremação e o translado das cinzas até o familiar mais próximo.

Agora que você já viu como é importante ter a repatriação sanitária adicionada aos benefícios do seu Seguro Viagem. Por isso, você está apto a procurar um seguro viagem com a cobertura adequada (Recomendo: busque um especialista como multiseguroviagem.com.br), que inclua a repatriação sanitária para você e sua família não terem uma dor de cabeça.

Todd Hernandez

Os comentários estão fechados.